, 20 de Março de 2017

Abril águas mil… e Festa do Jazz

Quando chega Abril esperam-se águas mil (mesmo que nos últimos anos não tenham caído muitas) mas também mais uma edição da Festa do Jazz, este ano na sua 15ª edição. Barómetro do que de musicalmente mais importante vai acontecendo no jazz nacional, o evento programado pelo saxofonista Carlos Martins e produzido pela Sons da Lusofonia em vários espaços do Teatro Municipal de S. Luiz, em Lisboa, decorrerá entre o início da noite de sexta-feira 7 até se entrar na madrugada de domingo 9 de Abril para segunda, com a habitual maratona de concertos.

O primeiro dia do festival é dedicado a “showcases” de escolas superiores, e designadamente da Universidade de Évora, da Escola Superior de Música de Lisboa, da Universidade Lusíada e da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, terminando com a actuação de uma “big band” com estudantes desses estabelecimentos de ensino musical, com direcção de Luís Cunha e coordenação de Michael Lauren. O concurso de escolas ocupará o Jardim de Inverno, como vem sendo de regra, durante as tardes de sábado e domingo 8 e 9 de Abril. As actuações das bandas que marcam a actualidade do jazz, essas, têm início às 15h30 de 8 na Sala Mário Viegas, com os Home de João Barradas, Clocks and Clouds (a saber: Luís Vicente, Rodrigo Pinheiro, Hernâni Faustino e Marco Franco) e Joana Machado “Lifestories”. Às 19h30 muda-se para a Sala Luís Miguel Sintra, com o Omniae Ensemble de Pedro Melo Alves (foto acima), o vencedor da segunda edição do Prémio de Composição Bernardo Sassetti. O baterista do The Rite of Trio terá consigo algumas figuras de topo da cena do Porto, como Gileno Santana e Mané Fernandes.

Na noite de sábado, seguem-se Bruno Pernadas e o seu “Worst Summer Ever” e o projecto Transporte Colectivo de José Salgueiro, no qual encontramos músicos como João Paulo Esteves da Silva e Mário Delgado. Já depois da meia-noite, actua no Jardim de Inverno o Combo do Conservatório de Coimbra, seguindo de “jam session”. No domingo, a parada de grupos inicia-se de novo na Sala Mário Viegas, à tarde, com Pedro Neves Trio, Cícero Lee “Those Who Stay” (com a participação do já referido Salgueiro e do saxofonista Desidério Lázaro) e Luís  Barrigas “Songs with and without Words” (com Lázaro a repetir). A mudança para a plateia principal do S. Luiz faz-se no final da tarde com a Lisbon Freedom Unit de Luís Lopes, noneto que reúne alguns dos mais importantes músicos da livre-improvisação portuguesa.

Depois do jantar, vez para “Dentro da Janela” de João Mortágua e para os Michael Lauren All Stars, formação integrada por Carlos Barretto, Diogo Vida, Jeffrey Davis, Nuno Ferreira, José Menezes e Hugo Alves. O fecho faz-se logo de seguida com o anúncio dos Prémios Festa do Jazz 2017, uma prestação do Combo ESML 2016 e a derradeira “jam”, uma vez mais e sempre com o propósito de colocar diversas linguagens «lado a lado» e em «saudável confronto», num «processo de partilha e de criação em comunidade».