, 11 de Abril de 2013

Nos 30 anos do Jazz em Agosto

No ano em que o Jazz em Agosto comemora o seu 30º aniversário, a programação do festival da Fundação Calouste Gulbenkian reflecte essa efeméride trazendo de volta a Lisboa algumas das figuras que nele estiveram presentes em edições anteriores, se bem que com novíssimos projectos.

E porque se assinalam também os 30 anos de existência do Centro de Arte Moderna (o evento arrancou com este) é em Julho que tudo tem início. O primeiro concerto de jazz no CAM, em 1984, foi com o Quinteto de Maria João e é a cantora que se apresenta a 25 (21h30, Anfiteatro ao Ar Livre) com o grupo Ogre, caracterizado pela utilização de instrumentos eléctricos e electrónicos e estreado em disco pela JACC Records.

Porque 2013 é igualmente o dos 60 anos de vida de John Zorn, são três as actuações lideradas pelo saxofonista e compositor, sempre às 21h30 no Anfiteatro ao Ar Livre (hora e local que, de resto, fazem o pleno nesta edição).

A 2 de Agosto apresenta-se o projecto The Dreamers, caracterizado por um jazz de sabor “lounge”, com ressonâncias das músicas de salão da década de 1950 e elementos latino-americanos e judaicos. No dia 3, quatro filmes experimentais dos realizadores Maya Deren, Joseph Cornell, Harry Smith e Wallace Berman serão musicados ao vivo com a designação Essential Cinema. A 4, vez para os Electric Masada, com o seu jazz eléctrico sobre composições de cunho hebraico.

Os músicos envolvidos são Marc Ribot, Jamie Saft, Ikue Mori, Trevor Dunn, Kenny Wollesen, Joey Baron e Cyro Baptista. Zorn conduz o primeiro destes concertos, mas não toca, e Mori não participa na variante The Dreamers.

Não se fica por aqui o protagonismo de John Zorn no festival da Avenida de Berna: duas das sessões de cinema e vídeo, com o título genérico de “Treatment for a Film in Fifteen Scenes”, incluirão filmes de Lewis Klahr (“Well Then There Now”), Joey Izzo (“Bare Room”), Gobolux, a dupla KimSu Theiler e Andrew Nelson (“15 Scenes: 254 Shots”), e Henry Mills (“Arcana”), todos com a particularidade de terem guião e produção do músico. As sessões estão marcadas para a Sala Polivalente do CAM, às 18h30 dos dias 3 e 4 de Agosto.

A 5, uma selecção do ensemble Drumming do Porto, o Drumming GP, com Miquel Bernat a dirigir e Alexandre Frazão, Andres “Pancho” Tarhabia, Márcio Pinto e Jeffery Davis como convidados, terá a cargo a interpretação das partituras de Max Roach para o grupo de percussão M’Boom.

No dia seguinte, tocarão os nórdicos Elephant9 com o guitarrista Reine Fiske, na formação se destacando os instrumentos “vintage” de Stale Storlokken (membro dos Supersilent): o órgão Hammond B-3 e o piano eléctrico Fender Rhodes.

A 7, The Thing em versão XXL, ou seja, com o trio “extendido” para septeto, a Mats Gustafsson, Ingebrigt Haker Flaten e Paal Nilssen-Love acrescentando-se Peter Evans, Mats Aleklint, Terrie Ex (da banda punk anarquista The Ex) e Jim Baker. O dia 8 estará a cargo do Peter Evans Octet, novo projecto do virtuoso trompetista em que se destacam instrumentistas notáveis como Brandon Seabrock, Tom Blancarte e Jim Black.

Anthony Braxton

O lendário Anthony Braxton traz o seu camerístico Falling River Music Quartet a 9 de Agosto, fazendo-se acompanhar por Ingrid Laubrock, Taylor Ho Bynum e Mary Halvorson. É esta guitarrista que ocupa a noite de 10, em quinteto, com um jazz de energia rock participado por Jonathan Finlayson, Jon Irabagon, John Hébert e Ches Smith.

A conclusão do Jazz em Agosto 2013 acontecerá em grande no dia 11: na fórmula Pharoah & The Underground, Rob Mazurek reúne elementos de dois trios seus, São Paulo Underground e Chicago Underground (Guilherme Granado, Mauricio Takara, Matthew Lux e Chad Taylor), convidando como solista o histórico Pharoah Sanders, antigo parceiro de luminárias como John Coltrane e Don Cherry.

Completam o cartaz os registos em vídeo, realizados pela RTP, dos concertos do World Saxophone Quartet (1987) e da Sun Ra Arkestra (1985) no festival, respectivamente a 10 e 11 de Agosto, às 18h30, na Sala Polivalente do CAM. No mesmo local e hora, de dia 5 a 9, haverá ainda a possibilidade de ver os 10 episódios da série documental “aTensão JAZZ”, de Paulo Seabra e Rui Neves.

De referir ainda que, no âmbito da celebração dos 30 anos do Jazz em Agosto, será lançado um livro em que os críticos e teóricos do jazz Stuart Broomer, Brian Morton e Bill Shoemaker  traçam os perfis de 50 dos mais importantes músicos que passaram pela Gulbenkian durante três décadas.