, 27 de Maio de 2013

Ilhas de jazz

Não há só jazz a acontecer no continente. Também as ilhas estão no circuito festivaleiro dos músicos internacionais deste género de música e a agenda atlântica de cada ano arranca em Julho, da melhor maneira, com o madeirense Funchal Jazz. É assim que, diia 4 de Julho, se estreia em terras portuguesas um novo projecto de Chick Corea, o seu And the Vigil. Um quinteto em que encontramos os grandes Tim Garland, Charles Altura, Christian McBride e Marcus Gilmore e que tem chamado a atenção mesmo daqueles que já se tinham desinteressado da música do pianista.

A 5, ao quarteto de Bruno Santos, Filipe Melo, Bernardo Moreira e Bruno Pedroso junta-se o saxofonista John Ellis. Depois, na mesma noite, será a vez de Buika subir ao palco com o seu canto muito próprio, denotando a sua ascendência guineense (da Guiné Equatorial) e a infância passada num bairro cigano de Maiorca. Jazz cruzado com flamenco, com o suporte de Ivan Gonzalez Lewis ao piano e do percussionista Ramon Escobar.

O fecho do Funchal Jazz acontece no dia 6 com a portuguesa Jacinta e uma formação cujo nome diz tudo quanto à sua inspiração no Miles Davis do primeiro período eléctrico: Miles Smiles. O grupo reúne nomes de topo: Wallace Roney, Rick Margitza, Joey DeFrancesco, Larry Coryell, Ralphe Armstrong e Omar Hakim. A festa faz-se, como habitualmente (ou seja, pelo 14º ano consecutivo), ao ar livre e com vista para o mar, no Parque de Santa Catarina.

Nos Açores, haverá mais jazz logo no início de Outubro em Angra do Heroísmo. Na sua 15ª edição, o AngraJazz começa a 3 com a costumeira Orquestra Angrajazz, formada por músicos locais (24 no total, com a particularidade de o naipe de sopros incluir quatro trompas) sob a direcção conjunta de Pedro Moreira e Claus Nymark. Na mesma noite, actua uma luminária do big bigbandismo, Carla Bley (foto acima), mas em formato intimista: um trio com Steve Swallow e Andy Sheppard.

No dia 4 de Outubro outra dupla oferta, com o Fred Hersh Trio, juntando-se ao pianista o contrabaixo de John Herbert e a bateria de Eric McPherson, e a Pocket Brass Band de um trombonista de referência, Ray Anderson. McPherson repete funções, completando-se a pequena fanfarra com Lew Soloff, trompetista que passou pelas tropas de Frank Zappa, e Matt Perrine.

A 5 haverá Azul, fórmula mágica com Carlos Bica, Frank Mobus e Jim Black, e o quarteto de Cecile McLorin Salvant, um novo valor do canto feminino jazz com mãe francesa e pai haitiano que vai beber directamente à fonte dos blues. O local é o de sempre: o Centro Cultural e de Congressos de Angra.