, 11 de Junho de 2013

Vision Festival 2013: um sonho real

A decorrer entre 12 e 16 de Junho no mítico Roulette de Nova Iorque, a edição de 2013 de um dos mais importantes festivais de referência do mundo, o Vision, começa logo no primeiro dia com uma homenagem a um histórico do jazz mais exploratório: Milford Graves. É com este baterista a tocar numa sucessão de três formações que se faz o Milford Graves Lifetime Achievement Award, com Afro/Cuban Roots, Transition Trio e NY HeART Ensemble. Demasiado para um homem com 73 anos de idade? Nada disso, tratando-se ele de um mestre de artes marciais, herbalista, acupuncturista e xamã.

Os nomes envolvidos são de respeito, como Kidd Jordan, Charles Gayle, Roswell Rudd, William Parker e o grande poeta do bop e do free, Amiri Baraka. Mas mais nomes sonantes se seguem. A 13 apresentar-se-ão o Roy Campbell’s Akhenaten Ensemble, com figurões como Jason Kao Hwang e Hilliard Greene, o Rob Brown’s U_I. Project, com nem menos que Joe McPhee, Miya Masaoka e Mark Helias, e o Roscoe Mitchell Trio, que inclui o incontornável Henry Grimes.

Numa edição do festival definida pela presença de vários músicos franceses, a 14 haverá mais poesia musicada com Steve Dalachinsky e Connie Crothers, o Bern Nix Quartet com François Grillot, o East-West Collective, que junta as luminárias Didier Petit, Sylvain Kassap, Xu Fengxia, Larry Ochs e, novamente, Masaoka e The French-American Peace Ensemble, com (maravilha) François Tusques, Louis Sclavis, os repetentes Jordan e Parker, e Hamid Drake.

O dia 15 junta a nova geração do jazz nova-iorquino a alguns veteranos. Se o quinteto The Hook-Up de Tomas Fujiwara integra novos valores como Jonathan Finlayson e Mary Halvorson, depois os jovens  Kris Davis e Eric Revis encontram-se com outro baterista lendário deste evento programado por William Parker: Andrew Cyrille. Seguem-se os consagradíssimos Sonny Simmons e Dave Burrell em duo  e o estrelado Reggie Workman’s WORKz, com Marilyn Crispell e Odean Pope.

O fecho do Vision Festival acontece a 16 de Junho com um regresso ao palco de Grimes, inserido nos Positive Knowledge de Oluyemi e Ijeoma Thomas, o Bio-Electric Ensemble de Hamiet Bluiett, o ARC Trio de Craig Taborn, Mario Pavone e Gerald Cleaver e uma parceria em quarteto de Marshall Allen, o sucessor de Sun Ra na liderança da Arkestra, e Christian McBride. Hoje em dia, não há muitas outras ocasiões para encontrar esta gente toda no mesmo sítio e à mesma hora. É como se fosse um sonho, mas não podia ser mais real.