, 27 de Janeiro de 2014

Arthur Doyle (1944-2014)

Foi um palhetista cultor do free jazz, especialmente dedicado ao sax tenor. Nascido no Alabama, surgiu em cena no final da década de 1960 e integrou a fervilhante “loft scene” de Nova Iorque, nos anos dourados do free jazz.

Saxofonista de uma energia imensa, participou em discos que definiram o género, como “The Black Ark” de Noah Howard, “Babi Music” de Milford Graves ou “Live NY 1980” dos The Blue Humans. Nas primeiras décadas de carreira gravou pouco em nome próprio, mas é digno de registo o magnífico “Alabama Feeling”, de 1978. A partir da década de ’90, e particularmente já na década de ’00, editou de forma mais regular, com o seu grupo Electro-Acoustic Ensemble e em duo com Sunny Murray, entre outras colaborações.

Em Março de 2011 Doyle actuou em Lisboa, na Galeria ZDB (foto acima de Vera Marmelo), onde revelava já uma enorme fragilidade. Morreu no dia 25 de Janeiro, aos 69 anos de idade. (Nuno Catarino)