, 25 de Janeiro de 2015

Nervo de 2015 começa em Fevereiro

Arranca a 5 de Fevereiro próximo, na Sociedade Guilherme Cossoul, em Lisboa, a edição de 2015 do ciclo de concertos Nervo, com programação de Pedro Tavares. Manuel Mota (guitarra eléctrica, foto acima) e Afonso Simões (bateria) tocam em duo na primeira parte e em trio com Pedro Lopes (gira-discos) na segunda.

Neste seu segundo ano de existência, o Nervo apresenta-se com algumas transformações de fundo: além da mudança do seu local de realização (as oito sessões de 2014 tiveram lugar no CRA – Centro Recreativo dos Anjos), muda a sua periodicidade. Está é agora fixa e marcada para todas as primeiras quintas-feiras do mês, Agosto excluído. O nome e as linhas de força, esses, mantêm-se: Nervo se chama esta série anual de actuações ao vivo porque o foco está nas músicas “inquietas” e que procuram a diferença. Dito por outras palavras, porque «há que ter nervo para escutar, sentir, apreciar estes sons mais duros», como afirma Tavares.

O espectro de tendências é muito diverso, englobando o jazz avançado, a música livremente improvisada, o rock “indie” e o experimentalismo sem classificação possível. Em qualquer dos casos, outra alteração se verifica – em vez de cada edição do Nervo incluir vários grupos, terá só um a protagonizá-la, com a música dividida em dois “sets”. Regra geral, no primeiro tocará a formação base e no segundo entrará um convidado especial. Com uma excepção que reproduz o antigo formato: no último Nervo de 2015, em Dezembro, haverá três bandas, porque o propósito é «realizar uma celebração-encerramento da época».

Confirmadas estão já, igualmente, as actuações de 5 de Março, com Hugo Antunes, Carlos “Zíngaro” e Miguel Mira, e de 2 de Abril, com o trio de Ricardo Jacinto, Helena Espvall e David Maranha, a que se acrescentará Norberto Lobo. Nomes como Sei Miguel, Rodrigo Amado, Albert Cirera e Rodrigo Pinheiro estarão, mais tarde, em cartaz.