, 4 de Junho de 2015

Funchal Jazz leva Lovano e Blanchard à Madeira

Mais uma vez com direcção artística do crítico e divulgador de jazz Paulo Barbosa, o Funchal Jazz de 2015 vai decorrer no Parque de Santa Catarina nos próximos dias 2, 3 e 4 de Julho. O festival madeirense abre com o projecto “Wonder Wheel” de André Fernandes, seguido, após intervalo, de uma actuação do Joe Lovano Quartet. O renomado e sempre surpreendente saxofonista (foto acima) será acompanhado por Lawrence Fields (piano), Linda Oh (contrabaixo) e Joey Baron (bateria) – lembrar-se-ão deste os fãs dos Naked City de John Zorn.

A noite de 3 de Julho inicia-se com o quarteto de Miguel Zenón, um incontornável virtuoso do saxofone alto, incluindo o pianista Luis Perdomo, o contrabaixista Hans Glawischnig e o baterista Henry Cole. Logo depois, vez para o cantor Kurt Elling, na companhia de John McLean (guitarra), Gary Versace (piano, órgão), Clark Sommers (contrabaixo) e Christian Eumann (bateria). O repertório será, essencialmente, o do disco mais recente daquele que é unanimemente apontado como o mais importante vocalista masculino do jazz na actualidade, “Passion World”.

A dupla sessão do dia 4 arranca com o Christian McBride Trio, com Christian Sands (piano) e Ulysses Owens Jr. (bateria) a partilharem o palco com o contrabaixista. O encerramento faz-se com o aclamado Terence Blanchard E-Collective. Com o trompetista – autor de várias bandas sonoras para os filmes de Spike Lee – estarão Charles Altura (guitarra), Fabian Almazan (teclados), Donald Ramsey (baixo eléctrico) e Chris Bailey (bateria).

As “after-hours” do Funchal Jazz estão a cargo do Ricardo Toscano Quarteto, sempre no bar Scat, local onde também decorrerão as “jam sessions”. Antes de tudo isto, mais uma actividade que funcionará como um aliciante para os apreciadores de jazz do Funchal: toca a 27 de Junho, também no Scat, o recentemente constituído Madeira Jazz Collective. Dele fazem parte músicos locais como Alexandre Andrade, Pedro Pinto, Nelson Sousa, Filipe Vieira de Freitas, Jorge Borges, Ricardo Dias e Jorge Maggione.