, 10 de Junho de 2015

Zaratan inicia ciclo de "escrituras"

É no próximo dia 18 de Junho, pelas 19h00, que arranca na Galeria Zaratan, em Lisboa, o Leitmotiv, um ciclo dedicado à “música escriturada”. Assim designa o seu curador, Bernardo Álvares, a música tocada a partir de partituras gráficas, uma designação que o contrabaixista refuta, preferindo a de “escrituras”. A explicação: «Todas as partituras são gráficas e parece-nos necessário um novo termo para representar este objecto».

O processo a seguir será este: um compositor convidado deverá descrever, em texto, uma peça a executar, esse texto será convertido numa “escritura” por um artista plástico e ambos, texto e partitura, serão dados à interpretação de um grupo de músicos, alistados sobretudo nas áreas da música improvisada e da música experimental. A abertura acontecerá, precisamente, com uma composição de Álvares trabalhada graficamente pelo artista visual e trompetista swazi Yaw Tembe (na foto) e tocada pelo duo – pã, constituído por Paulo da Fonseca e Filipa Campos, ambos em sintetizadores e osciladores.

O ciclo decorrerá na terceira quinta-feira de cada mês. Pretende-se, assim, «questionar os limites da música escrita e da música improvisada, ou composta em tempo real, tendo como resultado tanto uma criação musical como visual». Cada escritura estará à venda numa edição limitada e numerada e serão facultados igualmente os textos dos compositores e os “links” para o “podcast” dos concertos.