, 8 de Dezembro de 2015

O regresso do filho pródigo

O contrabaixista Hugo Antunes está de regresso a Portugal, depois de um longo período em que teve como base de trabalho a cidade de Bruxelas. Colaborações com músicos de renome como Paul Lovens, Nate Wooley, Chris Corsano, Tobias Delius, Scott Fields, Michael Attias, John Dikeman e muitos outros foram-se proporcionando a partir dessa “placa giratória”, mas o músico achou que era chegada a altura de voltar a casa. De imediato se notou uma sua maior presença nos circuitos nacionais. Nos últimos tempos, esteve envolvido em concertos por vários pontos do País, ora com Jorrit Dijkstra, Luís Vicente e Ramon Prats, ora com outro nome do contrabaixo, Peter Ajtai, e os violoncelistas Miguel Mira e Ulrich Mitzlaff. Agora, vamos ouvi-lo com Albert Cirera, Gregor Vidic e Nicolas Field.

Este novo quarteto apresenta-se a 10 de Dezembro na Sonoscopia (Porto), dará um pulo até Salamanca a 11 e no dia seguinte estará no Barreiro, cidade onde Antunes voltou a assentar arraiais. Esta última actuação será no Velvet Be Jazz Club, com organização da mesma estrutura que promove o Out.Fest. A associação do músico português com Field não é de agora – tocou com o baterista britânico num quinteto em que também constavam Richard Comte, Audrey Laro e Seppe Gebreurs, um seu parceiro habitual. Não são, igualmente, estas as primeiras vezes em que contracena com os saxofones tenor e soprano de Cirera, agora instalado em Lisboa – foi o convidado especial de uma apresentação belga do Duot, projecto mantido pelo membro catalão do grupo e por Prats. Já com o esloveno Vidic se trata de uma estreia, mas este saxofonista tem um duo regular com Nicolas Field.

Hugo Antunes indica esta minidigressão como o início de uma série de encontros a que, com humor, chama Chaimite (Shy Meet). Esta contará sempre com «formações musculosas», consistindo «numa espécie de “throuback” ao seminal álbum “Machine Gun”, de Peter Brotzmann». Convirá estar atento ao que aí vem…