, 9 de Abril de 2018

MIA 2018 terá a guitarra e as viagens como foco

Com agenda fixada para os dias 24 a 27 de Maio próximo, a edição de 2018 do MIA – Encontro de Música Improvisada de Atouguia da Baleia vai fazer-se sob o signo da guitarra e das viagens. No primeiro caso porque são guitarristas cerca de um quarto dos participantes (esperam-se 80 de vários países), porque um destes será Steve Gibbs, com a sua invulgar guitarra clássica de oito cordas, e porque na ocasião se estreará um trio de guitarras acústicas, com Fernando Guiomar, Manuel Guimarães e Miguel Almeida.

O factor “viagens” surge do facto de muitos dos músicos estrangeiros que por cá teremos virem a convite expresso dos dois responsáveis daquele que é conhecido como o “congresso dos improvisadores”, Paulo Chagas e Fernando Simões, quando estes foram recentemente tocar ao SPIME (Paris), ao BCN Impro Fest (Barcelona) e ao Sowieso (Berlim). Entre eles estarão alguns nomes sonantes para além do de Gibbs, como Blaise Siwula, Viv Corringham, Rosa Parlato, George Haslam, Gianni Gebbia, Nicola Guazzaloca, Jacques Pochat e Edoardo Marraffa. O grosso das acções decorrerá, como habitualmente na Sociedade Filarmónica da vila, com idas a outros espaços pelo meio, estando a grande diferença na transição das lendárias “jam sessions” do MIA, tradicionalmente realizadas até ao nascer do Sol, do Armazém dos Tubos para o do G.D.A.

Duas das mais importantes figuras do jazz criativo de Itália, o saxofonista alto Gianni Gebbia e o pianista Nicola Guazzaloca estarão a cargo da parte formativa do festival, com “workshops” a realizar nos dias 24 (Gebbia) e 25 (Guazzaloca), quinta e sexta respectivamente. A 24 inaugura-se também uma instalação sonora de Mestre André (Alforjs), com o primeiro concerto a surgir em trio formado pelo multi-instrumentista espanhol Jesús Asenjo com Joana Guerra em violoncelo e Paulo Curado na flauta. A 25 são duas as actuações: um solo de Gebbia e o trio de guitarras de Guiomar, Guimarães e Almeida acima mencionado.

Tudo se intensifica a partir do início da tarde de sábado 26, com o Nau Quartet de José Lencastre, ao saxofonista juntando-se Rodrigo Pinheiro no piano, Hernâni Faustino no contrabaixo e João Lencastre na bateria. Desfilam de seguida os grupos sorteados com os músicos que estiverem presentes, terminando a sessão da tarde ao ar livre com o Street Collective, “big band” liderada pelo trompetista Luís Guerreiro que incluirá duas guitarras eléctricas, electrónica, dois contrabaixos, três sopros e três vozes. A noite arranca com um duo de Guazzaloca com o também italiano Edoardo Marraffa (saxofone tenor) e continua com os Wasteland, quarteto de chamber noise formado por Paulo Chagas (neste contexto em oboé) com três improvisadores sediados em Bruxelas, o já mencionado Gibbs, Rosa Parlato (flautas, electrónica, voz) e Philippe Lenglet (guitarra eléctrica, objectos). O painel de concertos deste dia termina com o “tutti” dos inscritos no MIA Ensemble, com vários “maestros” designados.

No domingo 27 nova maratona, e logo a partir de manhã, com um “concerto para bebés” do Sofia Borges Ensemble, marcando o regresso ao MIA da percussionista portuguesa radicada na Alemanha. À tarde, actuam os transnacionais Splatter de Noel Taylor (clarinetes, Reino Unido), Anna Kaluza (saxofone alto, Alemanha), Pedro Velasco (guitarra) e Pedro Melo Alves (bateria), algures no cruzamento do avant-jazz com o black metal. Mais grupos sorteados virão na sequência e, antes da hora do jantar, será a vez do Space Bop Quintet, fronteado pelo saxofonista francês Benoit Crauste. A noite inicia-se com uma palestra de Rui Eduardo Paes e continua com o grupo Esquelética Sonora, constituído por Fernando Simões (trombone), Abdul Moimême (guitarra eléctrica preparada), Nuno Morão (percussão) e Carlos Santos (electrónica). O final faz-se, novamente, com o MIA Ensemble, juntando todos os intervenientes.

Entre as presenças confirmadas, com intervenções nos grupos sorteados, estarão ainda, por exemplo, Diane Roblin, Aiys Kelpekis, Miquel Jordà, Maria Radich, Maria do Mar, João Madeira, Laurent Paris, Marco Santamaria, Pedro Santo, Quinto Fabriziani, João Pedro Viegas, António Ramos, André Calvário, Bernardo Álvares, Fernando Ramalho, Bruno Gonçalves, Luís Senra, João Carreiro e Paulo Silva.