Antagonisti Androgeni

Biagio Coppa: “Antagonisti Androgeni” (Ruby Flower)

Ruby Flower

António Branco

O saxofonista italiano Biagio Coppa é um fervoroso seguidor da teoria “harmolódica” de Ornette Coleman e dos conceitos desenvolvidos pelo movimento M-Base de Steve Coleman. Em “Antagonisti Androgeni” exponencia a indubitável qualidade da sua música, acompanhado por outros quatro músicos de elevado quilate.

De sopro altivo, mas não impositivo, e com um apurado sentido de espaço, forma uma especial dupla de sopros com o trompetista Nate Wooley, uma das mais importantes forças criativas dos últimos anos neste instrumento.

Coppa exibe uma escrita complexa e de grande rigor, assente em estruturas bem definidas, mas que concede significativo espaço de manobra aos restantes músicos. A equilibrada gestão dessa tensão latente entre o material escrito e as secções improvisadas fica bem patente nas cinco peças que constituem o programa.

As várias vozes ora surgem em solidários uníssonos, ora se entrecruzam como peças de um xadrez musical em constante movimento, conjugando-se com métricas complexas e polirritmos.

A música do quarteto revela sempre grandes coesão e empatia – tanto pode ser torrencial como prenhe de detalhes e subtilezas, pequenos motivos melódicos que são desenvolvidos em várias direções –, com súbitas mudanças de coordenadas e de intensidade que surpreendem muito positivamente.

“Goccia”, a abrir o disco, é introduzida por Smythe, logo coadjuvado pelo som encorpado do contrabaixo de Dunn. Os dois sopros entram em cena numa dança garrida. Atente-se no esplendoroso trabalho de inventividade e clareza do baterista.

A peça título divide-se em duas partes. “Antagonisti Androgeni (Part 1)” conta com uma pulsante linha de contrabaixo, que gera um “groove” poderoso em que assentam os jogos entre saxofone e trompete, contrastantes ou complementares, com o piano a desempenhar um papel de árbitro atento.

A segunda parte inicia-se tranquilamente com uma melodia explorada por Smythe e desenvolve-se com acesos diálogos entre Coppa e Wooley. Um deleite para o apreciador de um jazz avançado e desafiante.

  • Antagonisti Androgeni

    Antagonisti Androgeni (Ruby Flower)

    Biagio Coppa

    Biagio Coppa (saxofone alto); Nate Wooley (trompete); Cory Smythe (piano); Trevor Dunn (contrabaixo); Tyshawn Sorey (bateria)

Agenda

02 Fevereiro

João Lencastre, Pedro Branco e João Hasselberg

Miradouro de Baixo - Carpintarias de São Lázaro - Lisboa

02 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Água Ardente - Lisboa

02 Fevereiro

Ensemble Porta-Jazz / Robalo

Porta-Jazz - Porto

02 Fevereiro

José Menezes Quarteto

Cine Incrível - Alma Danada - Almada

02 Fevereiro

Manuel Oliveira, Rodrigo Correia, Alexandre Frazão e Tomás Marques

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Pedro Neves Trio “Hindrances” / Wabjie

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Percussion

Água Ardente - Lisboa

03 Fevereiro

Gianni Narduzzi “Dharma Bums” / Carlos Azevedo Quarteto “Serpente”

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Luís Figueiredo “À Deriva”

Centro de Cultura e Congressos da SRNOM - Porto

Ver mais