Metal!

The Thing with Barry Guy: “Metal!” (NoBusiness Records)

NoBusiness Records

António Branco

A lâmina de uma serra e os vários detritos metálicos que surgem na capa de “Metal!”, bem como o facto de quase todos os títulos das peças (exceto um) se referirem a elementos metálicos, podem deixar pistas sobre o conteúdo do disco e assustar os ouvidos mais temerosos.

Uma análise assim apriorística pode, no entanto, também ser perigosamente redutora. De facto, e apesar dos The Thing (Mats Gustafsson, Ingebrigt Håker-Flaten e Paal Nilssen-Love) não deixarem os seus créditos por mãos alheias, vão muito além desse vaticínio simplista...

Na companhia sempre recomendável do contrabaixista Barry Guy (que já tinha marcado presença no excelente “Syzygy”, do Tarfala Trio com o mesmo Gustafsson), apresentam um disco feito de texturas e atmosferas de amplo espectro emocional que, com sucessivas audições, se vão tornando mais percetíveis.

Gravado na igreja de Santa Catarina, na capital lituana, o álbum foi editado no formato de duplo vinil de edição limitada. Arranca com “Lanthanum”, marcado, desde logo, pelo imparável fulgor rítmico de Nilssen-Love e pelo aceso despique entre os dois contrabaixos, sobre os quais paira o saxofone lancinante de Gustafsson.

Em “Praseodymium” escuta-se um novo e notável duelo entre os dois contrabaixos, que se digladiam com recurso a diversas técnicas, amalgamando “pizzicati” e a utilização do arco, num todo bastante conseguido.

Se há momentos de intensidade sónica extrema, há outros de grande detalhe, como “Cerium” e, sobretudo, a filigrana de “Samarium”. A peça que assume o centro de gravidade do disco é “Europium”, metamorfose de momentos de grande pungência dramática, sobretudo via Gustafasson e Flaten.

A função termina com uma versão muito intensa de “Ride the Sky”, dos Lightning Bolt. Um disco que, não sendo de fácil digestão, merece ser escutado com a maior vagar.

  • Metal!

    Metal! (NoBusiness Records)

    The Thing with Barry Guy

    Mats Gustafsson (saxofones barítono, tenor e “slide”); Ingebrigt Håker-Flaten, Barry Guy (contrabaixos); Paal Nilssen-Love (bateria)