I Wish I Didn’t Dream

Loren Connors / Suzzane Languille: “I Wish I Didn’t Dream” (Northern Spy)

Northern Spy

Gonçalo Falcão

Loren Connors já foi um dos meus guitarristas favoritos, mas afastei-me dele por sentir que anda a fazer o mesmo há décadas (duas pelo menos). Prezo a consistência e o foco numa direcção não é algo de obrigatoriamente mau, mas o que Connors anda a fazer não tem a originalidade e a flexibilidade suficientes para se aguentar durante tanto tempo. E quando o que faz (guitarra eléctrica tocada em “slow motion” com um amplificador híper-reverberado) se cruza com a voz de Suzanne Langille, o problema torna-se trágico.

Grandes discos do mesmo músico foram “Long Nights”, de 1996, “A Possible Dawn”, de 1997, e “In Twilight” de 1998. Em “In Pittsburgh”, de 1989, já se fazia ouvir - em doses homeopáticas - a voz de Suzanne Langille, que tem a mesma capacidade de Yoko Ono: arruina qualquer tema bom (no caso de Ono indo ao extremo, como quando conseguiu espatifar um blues com John Lennon, Keith Richards e Eric Clapton nas guitarras e Mitch Mitchell na bateria). Nesse caso relevou-se, no entanto, o facto como um exotismo.

Em “I Wish I Didn’t Dream”, Langille toma conta do disco. Canta por todo o lado, com a guitarra de Connors lutando por criar interesse. O disco não consegue passar para além dos excelentes título e capa, parecendo um daqueles filmes europeus com má iluminação, maus cenários, mau som e mau “raccord” em que as personagens estão em desespero, a morrer ou ambas as coisas.

  • I Wish I Didn’t Dream

    I Wish I Didn’t Dream (Northern Spy)

    Loren Connors / Suzzane Languille

    Loren Connors (guitarra eléctrica); Suzanne Langille (voz)