Gabriel Peso: “Sinapsis” (Mans Futuro)

Rui Eduardo Paes

Gabriel Peso: fixem este nome, pois vão ouvir falar muito dele nos anos que aí vêm. Tem 25 anos de idade e vive em Pontevedra, bem junto à fronteira com o Norte de Portugal. Continua os seus estudos pós-licenciatura mais acima, no Conservatório Superior de Música de A Coruña, tendo como mestre de piano o inventor do estilo muiñeira jazz, Alberto Conde. Ao mesmo tempo, dá aulas num outro estabelecimento de ensino com departamento de jazz, o Mayeusis. É um jovem prodígio no seu instrumento, tendo ganho o prémio de excelência Mans Futuro 2012, promovido pelo estúdio de gravação Mans, a Xunta de Galicia e a Fundació Paideia. A edição de “Sinapsis”, o primeiro CD que dá à estampa em nome próprio com o suporte do contrabaixista Kin García (também seu professor) e do baterista Noli Torres, é o resultado do galardoado projecto de combinação de um jazz de concepção europeia (aquele mesmo jazz europeu que Keith Jarrett diz não existir) com a tradição popular galega.

E é um grande disco, surpreendendo tanto pela maturidade das ideias e da execução como pela energia e pela frescura que transmite – duas características que, regra geral, não vemos associadas. As composições são do próprio Peso ou nascem da colaboração com García, caracterizando-se pela sua inventividade dentro dos parâmetros da fórmula “trio de piano jazz”, bem como pela elegância quase clássica/erudita com que buscam um enraizamento na cultura da Galiza. Sem que – uma clara mais-valia – as improvisações fiquem condicionadas. Se estas consistem em desdobramentos melódico-harmónicos dos temas, a música cresce em intensidade, alma e, até, substância, desmentindo a noção de que a escrita tem o exclusivo da complexidade. Que início de percurso, o deste “chavale”!