Patrizia Oliva / Gustavo Costa: “Frogs” (Sonos)

Rui Eduardo Paes

Entre a livre-improvisação e a ecomúsica de um Murray Schafer, “Frogs” foi gravado nas margens de um lago perto de Bolonha, Itália, com o canto das rãs (e daí o título), dos pássaros e das quedas de água constituindo a base do trabalho percussivo de Gustavo Costa (músico do Porto com actividade nas áreas experimentais, da música improvisada e do jazz) e vocal da italiana Patrizia Oliva (esta também em flauta de bambu, percussão e manipulações aquáticas).

O que ouvimos é como que um regresso ao grau zero da música. A organização dos sons parte dos sugeridos pela natureza e raramente os contradiz. De resto, em largas passagens o que ouvimos é o lago, e quando há intervenção humana esta tende a envolver-se com a realidade áudio circundante, não a sobrepor-se. O efeito é calmante, mas desperta em simultâneo a imaginação de quem ouve – “Frogs” funciona como um filme dentro das nossas cabeças. E o mais curioso é que esse filme “acontece” de noite. As imagens que nos ocorrem têm reflexos lunares sobre a água.