You’ve Been Watching Me

Tim Berne’s Snakeoil: “You’ve Been Watching Me” (ECM)

ECM

Nuno Catarino

Fresquíssimo, este disco. Gravado em Dezembro do ano passado, produzido por David Torn (já temos saudades do magnífico “Prezens”, um dos grandes discos deste século), o novo CD do grupo Snakeoil de Tim Berne surge na sequência da sua segunda gravação, “Shadow Man”, que grangeou aclamação quase universal. Lembremos a sua recepção no nosso Portugal: foi um dos discos do ano aqui na jazz.pt e foi mesmo o melhor disco jazz do ano para o jornal Público.

Contudo, este álbum não é apenas uma sequência, não quer ser uma qualquer sequela ou continuação de um momento bem-sucedido. Neste terceiro registo do grupo, mais uma edição na histórica ECM, assistimos a um importante desenvolvimento na formação: ao quarteto base, dinamizado pelo saxofonista americano, junta-se um elemento extra - um guitarrista surpresa - que contribui para o colectivo acrescentando novas cores.

Como habitualmente, desde o registo de estreia do grupo em 2011, ao lado de Tim Berne estão Oscar Noriega, Matt Mitchell e Ches Smith. Agora, o Snakeoil passa a quinteto com a inclusão de Ryan Ferreira (assumimos desde já: um ilustre desconhecido).

É verdade que a essência da música do quarteto se mantém estável, por comparação com os dois discos anteriores - pela força das composições de Berne, pela intensa dinâmica individual de cada músico e pela energia do colectivo. Mas a guitarra – cumprindo um papel estático, quase atmosférico - funciona como efeito suplementar, dá novas tonalidades e ambientes que previamente não surgiam (especialmente na vertente eléctrica e respectivos efeitos).

A música do grupo é, como sempre, aberta, surpreendente. Jazz contemporâneo em toda a plenitude, esta música vai beber a várias fontes. As referências mesclam-se, as composições confundem-se com as improvisações, a música flui com enorme graciosidade. A música do quinteto de Berne conquista-nos e, sem nunca se deixar apanhar, em simultâneo, provoca-nos.

O próprio título é uma provocação, invertendo a formulação de que estávamos à espera – em vez do previsível “I’ve Been Watching You” (será impossível ler esta expressão sem nos lembrarmos dos Inner Circle), Berne dá-nos um improvável “You’ve Been Watching Me”. Ao terceiro tema, em vez do “standard” “Embraceable You”, Berne apresenta-nos um pessoalíssimo “Embraceable Me” (um dos temas-bandeira do disco, como o anterior “Small World in a Small Town”).

O saxofonista e compositor Tim Berne - parecendo que não, é já sexagenário - parece cavalgar por este século XXI num crescente pico de forma. Neste novo trabalho presenteia-nos com uma música riquíssima, mais aprofundada do que nunca, recheada de detalhes, sedutora na sua complexidade e continuamente desafiante. Se o anterior “Shadow Man” era já um altíssimo marco, este novo disco tem tudo para o suplantar. 

  • You’ve Been Watching Me

    You’ve Been Watching Me (ECM)

    Tim Berne’s Snakeoil

    Tim Berne (saxofone alto); Oscar Noriega (clarinetes soprano e baixo); Matt Mitchell (piano, electrónica); Ryan Ferreira (guitarra, guitarra eléctrica); Ches Smith (bateria, percussão, vibrafone)