Vijay Iyer / Wadada Leo Smith: “A Cosmic Rhythm with Each Stroke” (ECM)

Rui Eduardo Paes

É inevitável que oiçamos “A Cosmic Rhythm with Each Stroke” como o encontro de uma ainda jovem estrela do jazz da actualidade com uma glória daquele que se foi desenvolvendo ao longo da segunda metade do século passado. O próprio facto de o nome de Vijay Iyer constar em primeiro lugar na capa do disco convida-nos a essa impressão. O certo é que o pianista não é estranho ao universo de Wadada Leo Smith: pertenceu ao quarteto do trompetista no início dos anos 2000 e podemos ouvi-lo num disco deste datado de 2009, “Spiritual Dimensions”. Esse lastro reflecte-se, necessariamente, aqui, e para todos os efeitos Iyer e Smith têm uma característica que sobrevive às diferenças geracionais que os separam: o inclusivismo referencial que os leva a integrar nos seus respectivos projectos e nos seus próprios estilos pessoais elementos tanto das músicas contemporânea e clássica indiana como do experimentalismo electrónico, para não referir uma miríade de alusões à história das músicas afro-americanas, que não só do jazz.

Há um outro factor em partilha: sendo figuras do pós-free jazz, distinguiram-se ambos da compulsão do vanguardismo desta área para o extremismo expressionista e é nesse registo que continuam a manifestar-se nesta edição. O tom geral é pausado, reflexivo, associando minúcias escritas e improvisadas à construção e à manutenção de estados de espírito e ambiências. O CD abre com um tema de Iyer, “Passage”, e fecha com um de Smith, “Marian Anderson”, como se fossem as fatias de pão que seguram e rodeiam o mais importante de uma sandes. A substância maior vai para o fruto da sua colaboração em duo e este tem a forma de uma suite em sete partes, aquelas em que mais se evidencia a acção de um computador e surge, em dado passo, um Fender Rhodes. É nessa suite, a do título do álbum, que encontramos os seus melhores momentos, alguns deles de uma beleza que chega a igualar algumas das preciosidades que cada um dos participantes já nos ofertaram no passado. Os caminhos de Vijay Iyer e Wadada Leo Smith voltaram a cruzar-se e nós é que ganhamos com isso.