MMM Quartet: “Oakland / Lisboa” (RogueArt)

Rui Eduardo Paes

Além da parceria que já tinha estabelecido com a Clean Feed (no catálogo da qual sairá, aliás, em breve o álbum “Summer Skyshift”, registo do concerto do português Red Trio com John Butcher nos jardins da Gulbenkian, em 2015), o Jazz em Agosto inaugurou uma outra com a editora francesa RogueArt. Esta traduz-se na projecção de dois filmes no festival, dedicados a Peter Kowald, e na edição deste “Oakland / Lisboa”, CD que documenta a passagem por Portugal, há dois anos, do MMM Quartet, juntando figuras exponenciais da cena internacional da improvisação como Joelle Léandre, Fred Frith, Alvin Curran e Urs Leimgruber. Quem lá esteve lembrar-se-á que esta foi uma das melhores actuações da edição de 2014 do evento, e o disco vem confirmar que se tratou, realmente, de um momento muito especial.

A música vive num cruzamento de linhas e vectores, combinando electroacústica experimental (com os tipicamente esquizóides “samples” de Curran, um dos membros fundadores dos históricos Musica Elettronica Viva, bem como com os seus “impromptus” pianísticos), a influência da música contemporânea de câmara (muito por via do contrabaixo de Léandre), a tradição do free jazz (com um ágil Leimgruber nos saxofones tenor e soprano) e até elementos do rock (por via de Frith, antigo guitarrista dos progressivos Henry Cow). As bitolas estão entre a elegância formal e o excesso expressivo, com as influências clássicas pressupostas pelo primeiro factor a serem desfeitas de imediato pelo segundo, numa intervenção que se caracteriza por uma constante mutabilidade, tudo arrastando no seu fluxo. Quatro incríveis músicos e um registo extraordinário.