Adriano Orrù / Paulo Chagas / Mauro Sambo / Silvia Corda: “Palimpsest” (Pan y Rosas)

Rui Eduardo Paes

O contrabaixista italiano Adriano Orrù tem sido nestes últimos anos uma presença habitual no MIA – Encontro de Música Improvisada de Atouguia da Baleia, não sendo de estranhar que nesta colecção de duos o encontremos ao lado de dois músicos ligados a esse festival. Designadamente, um dos seus organizadores, Paulo Chagas, que surge a tocar três dos seus muitos instrumentos, o clarinete baixo, o saxofone soprano e a flauta, e a pianista Silvia Corda. Só o percussionista e manipulador de electrónica Mauro Sambo não esteve ainda no “congresso” dos improvisadores que se realiza ali para os lados de Peniche.

“Palimpsest” tem uma particularidade: Orrù toca baixo eléctrico e não o seu habitual contrabaixo, apostado em explorar as capacidades deste instrumento conotado com o rock e com o jazz de fusão num contexto de improvisação experimental. Os resultados são surpreendentes e focam a música precisamente nas conexões tímbricas do baixo com os demais recursos. Peso especial neste disco têm as peças que Orrù toca com os cageanos piano preparado e piano de brinquedo de Corda, e precisamente porque – tanto quanto sei – não há registo de que alguma vez se tenha tentado esta combinatória. Invulgares soam também as associações de Orrù com Sambo, tendo em conta que as construções deste se aproximam da sonoridade da música erudita contemporânea. Já com Chagas a também chamada guitarra baixo entra em desfechos de reconhecimento mais imediato, e isso porque a abordagem do músico português é bem mais jazzística. O curioso é que, em termos performativos, são estas faixas jazz que mais potencial têm para arrebatar o ouvinte, até porque não surgem como factores de “curiosidade”.