Hot Jazz Club: “Chama” (Hot Club Records)

Nuno Marinho

Do samba à bossa nova, ao choro, ao baião ou ao frevo, a cultura musical brasileira é uma das mais vastas, ricas e entusiasmantes do mundo. É mesmo difícil imaginar músicos brasileiros a interpretar qualquer outra cultura além da sua. O Hot Jazz Club, um quarteto com sede em Piracicaba, uma pequena cidade a Noroeste de São Paulo, pensa de forma diferente. Movido pela sua paixão pelo gypsy jazz, conseguiu criar uma comunidade significativa em torno da música de Django Reinhardt.

O álbum "Chama" é o epítome desta paixão. Emocionante, surpreendente e desconcertantemente, o grupo conseguiu fundir a sincopada dança brasileira com o ritmo à semínima da "La Pompe". Mais ainda: podemos ouvir “medleys” de jazz cigano e bossa nova com temas como "Água de Beber" e "Tchavolo Swing" ou "Garota de Ipanema" e "Douce Ambience". Esta pequena comunidade está a expandir-se para todo o mundo e os 16 convidados especiais que se juntaram para contribuir para este disco provam isso mesmo. Tem de tudo: quatro cantores, violinistas, guitarristas, acordeões e uma secção de metais, bons motivos para participar nesta festa e comemorar a "chama" que ilumina a paixão pela música alegre.