Onno Govaert / Marcelo dos Reis / Luís Vicente / Kristján Martinsson: “In Layers” (FMR)

Rui Eduardo Paes

Publicado nos últimos dias do ano que passou, “In Layers” documenta uma paragem das digressões feitas nos últimos anos pelos portugueses Marcelo dos Reis e Luís Vicente pela Europa – no caso, um concerto no Zaal 100 de Amesterdão, na companhia do baterista holandês Onno Govaert e do pianista islandês Kristján Martinsson. A guitarra de dos Reis desdobra-se em funções contributivas para o todo, mas aquelas em que objectivamente se centra em tarefas de suporte e acompanhamento revelam-se mais essenciais do que as solísticas – o músico residente em Coimbra tem amiúdes vezes uma abordagem estruturante e compositiva que em contextos de improvisação total como este se torna fundamental para colar tudo o que acontece à sua volta. Além disso, os seus “drones” pulsantes dão um factor de contraste sempre bem-vindo. Pelo seu lado, o trompete de Vicente segue pelas faixas deste disco em “stream of consciousness”, assumindo todas as implicações desse modo de estar (de se deixar ir) na música: o discurso é dissociativo, por vezes até deliciosamente esquizóide, discorrendo pelo magma de sons como se estivesse sonhadoramente em outro lado.

A tensão é permanente, mas nunca promete um clímax para mais adiante. Tudo acontece em fervura lenta, em estado de intriga e dúvida, mantendo viva, ainda que com distintas intensidades, uma incomodidade, uma agitação e uma ansiedade que são precisamente o que faz mover o fluxo musical. Os primeiros dois “temas” são os mais desarrumados, por assim dizer, mas a partir de “Varnish”, um magnífico exemplo de contenção, tudo se junta num mesmo espelho de luzes, a bateria nervosa e jazzística de Govaert tendo como contraponto o piano classicizante e abstractamente lírico de Martinsson. Que bem que terminou o ano de 2016…