Yedo Gibson / Hernâni Faustino / Vasco Trilla: “Chain” (NoBusiness)

Rui Eduardo Paes

A lituana NoBusiness Records continua a dar atenção ao que se passa musicalmente em Portugal. O caso vertente é o resultado do encontro do duo formado pelo saxofonista brasileiro (a residir em Janas, Sintra) Yedo Gibson e pelo baterista e percussionista luso-catalão Vasco Trilla (que divide a sua vida entre Barcelona e Lisboa) com o contrabaixista português Hernâni Faustino. Não é a primeira vez que a dupla convida um terceiro elemento. Por exemplo, numa ida a Cracóvia teve a colaboração de Mikael Szafirowski e num recente concerto lisboeta o elemento adicionado foi o uruguaio Alvaro Rosso. As fórmulas de base do projecto de Gibson e Trilla mantêm-se aqui intactas, derivando de uma inteligente integração das abordagens tendencialmente melódicas do primeiro, aqui e ali explorando harmónicos, e ora polirrítmicas, por vezes com emaranhados de filigrana, ora arrítmicas do segundo.

O enquadramento é o da música integralmente improvisada, mas a entrega é caracteristicamente jazzística, se bem que com importações de linguagens outras que não as da livre-improvisação ou do jazz. Sem seguir os estereótipos do free, ainda que se detectem referências à cena “loft” de Nova Iorque da década de 1970, “Chain” tem um “drive” e uma fluência que herdam as suas características – tal como o título indica, tudo se desenvolve numa aparentemente estática (porque direccionada, horizontal) cadeia de eventos, com um controlo da energia que faz com que a tensão se acumule sem nunca se chegar a um clímax. Essa é uma característica do membro do Red Trio, pelo que Faustino está neste contexto como peixe na água, muito contribuindo para o expressionismo festivo das seis faixas reunidas.