Daniel Bernardes & Coro Ricercare: “Beethoven... Reminiscências” (Edição de autor)

Daniel Bernardes & Coro Ricercare: “Beethoven... Reminiscências” (Edição de autor)

Edição de autor

António Branco

"Beethoven... Reminiscências" é o novo disco de Daniel Bernardes, acompanhado pelo Coro Ricercare, dirigido pelo maestro Pedro Teixeira, e com direção artística de Pedro Moreira. O universo beethoveniano cruzado com as práticas improvisacionais do pianista e compositor, que continua a desbravar terrenos entre o jazz e a música erudita.

Há muito a plantar nos terrenos férteis situados algures entre o jazz contemporâneo e a música da grande tradição erudita europeia, o pianista e compositor Daniel Bernardes (n. 1986) ofereceu-nos, nos últimos anos, vários frutos saborosos: em 2019 foi o justamente aclamado “Liturgy of the Birds” (Clean Feed), notável disco de tributo ao idiossincrático Olivier Messiaen; em 2020 foi a vez de “Crossfade”(MPMP) onde juntou uma coleção de peças que encontram raízes nesses dois vastos universos (recensão na jazz.pt aqui). Mas chegado foi o tempo de dar (mais) um passo em frente. «Só estou bem onde não estou e não me vejo a fazer dois discos iguais», começa por dizer Daniel Bernardes à jazz.pt. «Quero sempre navegar por estes mares sem rótulos e preconceitos, a minha voz vai crescendo com estas experiências e creio, cada vez mais, que é nesta multitude de experiências que crescerá da melhor forma.» 

“Beethoven... Reminiscências” nasceu de uma encomenda do Centro Cultural de Belém para as comemorações destinadas a assinalar o 250.º aniversário de Ludwig van Beethoven (1770-1827) e que estrearia na edição de 2020 dos Dias da Música, não fosse a pandemia nos ter entretanto esmurrado no estômago.

Beethoven assume um lugar central na mundividência sonora de Daniel Bernardes: «Beethoven é, a par de Brahms e Bach, um dos meus compositores favoritos do dito cânone do repertório pianístico. Um dos grandes momentos da minha vida foi o primeiro contacto ao piano com a Sonata Waldstein que me agarrou durante quase 15 horas!», refere o pianista. «É um compositor fabuloso na forma como trabalha os contrastes mas sobretudo pela elasticidade que trouxe à forma e uma irreverência gritante na qual me revejo em absoluto.»

Desafiado a debruçar-se especificamente sobre o ciclo “Canções de Várias Nacionalidades” e a dar-lhe uma nova roupagem entre o jazz mais aventuroso e abordagem de Beethoven, Bernardes logo se decidiu por apontar o foco ao rico universo coral, que ainda não tinha tido ensejo de explorar ao longo do seu percurso. O prestigiado Coro Ricercare, dirigido por Pedro Teixeira, referência internacional no mester, surgiu logo como primeira escolha para este projeto, também pela mescla de experiência dos seus membros mais antigos com a juventude e irreverência dos mais recentes, combinação que Bernardes entendeu como essencial para estabelecer pontes entre o romantismo beethoveniano e a contemporaneidade. «Durante meses escutei este ciclo de forma recorrente e deixei que algumas melodias se enraizassem em mim e fui improvisando sem a partitura original de Beethoven de forma a que a minha memória recriasse estas melodias, mudando-lhes o carácter chegando mesmo a torná-las praticamente irreconhecíveis.»

Papel fundamental neste projeto é o desempenhado, na qualidade de diretor musical, por Pedro Moreira, funcionando como fiel entre o coro e o universo improvisado do pianista. «Conheci-o muito jovem nos vários workshops que frequentei na adolescência e sempre me impressionou a sua meticulosa forma de pensar e tocar a música. O contacto com o Pedro naqueles anos de formação ensinou-me a domar um pouco o meu instinto musical, intelectualizando-o e refinando-o através da análise e da reflexão não descurando um empirismo próprio do jazz», assinala Bernardes. «Gosto muito de explorar a dualidade nota-escrita nota-improvisada então peguei nas melodias de Beethoven e a improvisação – pela sua ligação inerente ao subconsciente e à dicotomia corpo-mente – foi fundamental para este trabalho com a memória.»

O novo álbum apresenta um conjunto de leituras muito particulares de canções de Beethoven, com duas exceções: a belíssima “Da Neve e do Frio”, a peça de abertura, alude a uma paisagem gélida, com as notas cristalinas do piano perfeitas a estimular esse imaginário (ou não fosse Bernardes um notável compositor de bandas sonoras); “In Memoriam Bernardo Sassetti”, sentida homenagem ao pianista tragicamente desaparecido faz agora uma década, foi escrita originalmente em 2012 para o Pulsat Percussion Group, constando também no disco com o Crossfade Ensemble. Adquire aqui uma nova dimensão, sobretudo pelo decisivo aporte coral.

Em “The Lovely Lass” é de novo o coro que introduz uma camada melódica que envolve com o seu manto aveludado aa linhas desenhadas pelo piano, desembocando num tranquilíssimo epílogo. “Schöne Minka” é uma canção tradicional ucraniana, muito popular na Alemanha, que Beethoven trabalhou em 1816, e que aqui ganha uma vida especial. O dramatismo pungente de “Oh Who my dear Dermut” é iluminado pela voz da soprano Isabel Cruz Fernandes. A luz diáfana que emana de “The Return to Ulster... Reminiscência II” é contrastada pela atmosfera palpitante dominada pelas vozes masculinas de “The Return to Ulster”.

A serenidade angelical de “The Return to Ulster... Reminiscência III”, com piano rarefeito e coro etéreo, é antecâmara perfeita para a peça mais surpreendente, “Seus lindos olhos”, de origem portuguesa, uma das canções trabalhadas por Beethoven a pedido do seu editor; sendo matéria-prima que Bernardes também há muito trabalha com esmero, as esferas alinham-se.

Desafiando compartimentações fátuas e rasgando horizontes, “Beethoven... Reminiscências” reitera o lugar de Daniel Bernardes entre os mais interessantes músicos nacionais do nosso tempo.

  • Beethoven... Reminiscências

    Beethoven... Reminiscências (Edição de autor)

    Daniel Bernardes & Coro Ricercare

    Daniel Bernardes (piano, composição); Pedro Moreira (direção artística); Coro Ricercare: Catarina Conceição, Francisca Candeias, Francisca Ribeiro, Isabel Cruz Fernandes, Laura Martins e Mariana Cardoso (sopranos); Ana Manta, Ana Proença, Bianca Varela, Helena Romão, Inês Silva, Joana Esteves, Kerrin Brinkmann e Madalena Barão (altos); Bruno Sales, Francisco Pinheiro, João Castelo Branco, João de Barros e Pedro Teixeira (tenores); Felipe Lemos, João Líbano Monteiro, Martim Líbano Monteiro, Miguel Carvalho e Patrick Sale (baixos); Pedro Teixeira (maestro do coro)

Agenda

14 Agosto

Modern Jazz Collective

Praça Central WOW - Vila Nova de Gaia

14 Agosto

Marcelo Araújo Trio

Cantaloupe Café - Olhão

14 Agosto

Bruno Santos Almmond Trio

Castelo de Leiria - Leiria

14 Agosto

Carlos Veiga, Maria Viana e Artur Freitas

Cascais Jazz Club - Cascais

15 Agosto

Orquestra de Jazz do Algarve com Osvaldo Pegudo & Luanda Cozetti - Latin Flavours

Passeio das Dunas - Quarteira

15 Agosto

Hugo Caldeira

Titanic Sûr Mer - Lisboa

16 Agosto

Marta Rodrigues Quinteto

Centro Cultural de Lagos - Lagos

16 Agosto

Jam Session c/ João Pedro Coelho

Hot Clube de Portugal - Lisboa

17 Agosto

Long ago and far away

Hot Clube de Portugal - Lisboa

18 Agosto

Paulo Santo Quarteto

Hot Clube de Portugal - Lisboa

Ver mais