Festival Creative Sources, 8 de Outubro de 2013

Festival Creative Sources

Cage estava lá

Foto-reportagem Nuno Martins

A ZDB recebeu mais uma vez o evento anual da improvisação reducionista nacional. Com algumas situações a saírem para fora desse enquadramento, ouviu-se música silenciosa e, a meter-se dentro dela – John Cage teria ficado deliciado –, o ruído das sempre festivas noites do Bairro Alto. Aqui ficam as imagens…

Durante dois dias, com um total de seis concertos, a editora discográfica portuguesa Creative Sources – rival da Clean Feed na quantidade de edições (cerca de 250) e na variedade internacional do seu catálogo – teve mais uma edição do seu festival. Decorreu a 4 e 5 de Outubro no Aquário da ZDB, em Lisboa, com uma programação que, uma vez mais, incidiu sobre a corrente “near silence”, com a música reducionista no interior a debater-se com o ruído que vinha da noite do Bairro Alto.

Excepção foi o Wind Trio de Paulo Chagas, Paulo Curado e João Pedro Viegas, ainda no rescaldo da edição de “Old School, New School, No School”, que enveredou por uma improvisação mais próxima do jazz…

O evento fez-se com a nata da casa organizada em várias formações, uma delas um ensemble mais alargado, com 11 elementos, e dois convidados especiais, o saxofonista soprano Christophe Berthet e o trompetista Louis Laurain.

Abdul Moimême e Eduardo Chagas tocaram em duo, Carlos Santos fez um solo e Ernesto Rodrigues, o responsável da Creative Sources, surgiu em dois contextos, à frente da orquestra e em quarteto com Guilherme Rodrigues, Ricardo Guerreiro e o referido Laurain. Por lá passaram também Maria Radich, Nuno Morão, José Oliveira, Bruno Parrinha, António Chaparreiro, Miguel Mira e Yaw Tembe, músico suazi radicado em Lisboa.

Para a memória aqui ficam as fotos de Nuno Martins…

Paulo Chagas

Christophe Berthet

Maria Radich, Ricardo Guerreiro, Ernesto Rodrigues e Miguel Mira

Louis Laurain

Carlos Santos

Abdul Moimême e Eduardo Chagas

Paulo Curado

Ernesto Rodrigues