Yedo Gibson no Penha sco, 3 de Março de 2022

Yedo Gibson no Penha sco

Luzes baixas

texto: Nuno Catarino

programação da editora Robalo no espaço cultural Penha sco, em Lisboa, tem-se revelado atenta e interessante. Esta quarta-feira apresentou Yedo Gibson, saxofonista brasileiro radicado em Portugal, numa atuação a solo.

O Penha sco é um espaço situado na Penha de França, em Lisboa, que tem acolhido diversas atividades culturais. Desde maio do ano passado, a editora Robalo começou a fazer programação de concertos no espaço, com foco no jazz e nas músicas improvisadas, apresentando regularmente (sempre às quartas-feiras, às 19h30), uma programação atenta, sobretudo focada nos talentos emergentes nacionais, mas não só. Esta programação  tem tornado o Penha sco um ponto de visita obrigatório da capital para todos os interessados no jazz e nas músicas criativas.

A cave do Penha sco recebeu, na passada quarta-feira, dia 2 de março, uma atuação a solo de Yedo Gibson, saxofonista brasileiro radicado em Portugal. O músico tem estado particularmente ativo na cena improvisada, colaborando em diversas formações ad-hoc, embora não se cingindo a estas. Tem colaborado amiúde com o percussionista Vasco Trilla, com quem tem gravado de forma profícua, em duo e noutras formações. Um dos seus projetos mais interessantes é o Fish Wool, trio com Trilla e Susana Santos Silva, que depois de um interessantíssimo disco de estreia homónimo (JACC Records, 2019), editou no ano passado o registo "Live In Cerkno" (edição da label polaca Fundacja Słuchaj!)

Com luzes baixas, Gibson trabalhou uma impressionante atuação a solo, servindo-se, em diferentes momentos, de três saxofones: soprano, alto e tenor. Começou por dizer: «Não tem plano.» Assumiu logo que nem o próprio saberia o que poderia acontecer, mergulhando na improvisação sem rede. Arrancou no saxofone soprano e, desde logo, exibiu a sua notável capacidade técnica, em especial na exploração de abordagens criativas no instrumento. Em alguns momentos, se nos abstraíssemos, poderíamos pensar que se tratavam de sons eletrónicos, e por vezes o som do saxofone imitava sons de animais. Pelo meio interpretou uma composição de Pixinguinha, de forma desconstruída, mas mantendo o eixo central e a emoção.

Para o final apresentou um inesperado dueto, com a sua filha Jasmin. O saxofone de brinquedo de Jasmim lançava sons e Gibson ia reagindo e construindo diálogos, estruturando ideias. Além de absolutamente ternurento, este momento revelou-se musicalmente rico, pela capacidade de reação e invenção. Gibson mostrou-se um músico surpreendente, capaz de cruzar referências com uma criatividade sem limites. Ficaremos atentos aos seus próximos passos.

Agenda

02 Fevereiro

João Lencastre, Pedro Branco e João Hasselberg

Miradouro de Baixo - Carpintarias de São Lázaro - Lisboa

02 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Água Ardente - Lisboa

02 Fevereiro

Ensemble Porta-Jazz / Robalo

Porta-Jazz - Porto

02 Fevereiro

José Menezes Quarteto

Cine Incrível - Alma Danada - Almada

02 Fevereiro

Manuel Oliveira, Rodrigo Correia, Alexandre Frazão e Tomás Marques

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Pedro Neves Trio “Hindrances” / Wabjie

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Percussion

Água Ardente - Lisboa

03 Fevereiro

Gianni Narduzzi “Dharma Bums” / Carlos Azevedo Quarteto “Serpente”

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Luís Figueiredo “À Deriva”

Centro de Cultura e Congressos da SRNOM - Porto

Ver mais