Ernesto Rodrigues, Maria da Rocha, Bruno Parrinha, Luís Lopes e João Valinho, 5 de Março de 2022

Ernesto Rodrigues, Maria da Rocha, Bruno Parrinha, Luís Lopes e João Valinho

O voo do improviso

texto: Sofia Rajado

No dia 3 de março o Cosmos Campolide acolheu um quinteto que juntou Ernesto Rodrigues, Maria da Rocha, Bruno Parrinha, Luís Lopes e João Valinho. O grupo embarcou numa travessia assente na improvisação livre. Entrámos na viagem.

Após a pausa, há lugar ao renascimento, ao tempo da germinação. É o momento da observação, da descoberta, e são muito boas algumas das novidades que surgem no universo da música improvisada. Foi assim, na passada quinta-feira - uma noite de intensos sentidos, de partilha, de calor humano. Noite de música, de encontro de ouvidos e sons que se faziam forte e piano, intenso e fraco, longo e curto, num respeito mútuo que também se assumia rebelde.

Foi no Cosmos Campolide que Ernesto Rodrigues, viola de arco, se juntou a Maria da Rocha, violino, Bruno Parrinha, clarinete baixo, Luís Lopes, guitarra acústica, e João Valinho, percussão. Não poderia haver melhor local para este encontro. O Cosmos Campolide é um espaço cultural recente, que divide as instalações com o Campolide Atlético Clube, e começa agora a ser um ponto quase obrigatório para amantes da música improvisada e experimental.

Numa sala dotada de uma vibração muito sensorial, entre as suas paredes fomos transportados para um ambiente perdido algures, num tempo esquecido, do qual sobra agora o que se espalha pelo espaço - os bilhares descaídos, os tectos ornamentados de cor esbatida, as madeiras que insistem em ranger, o fumo suspenso, os candeeiros de luz quase sumida, as cadeiras de almofadas fundas.

O som era concentrado, ao mesmo tempo que fluía pelo silêncio do público atento da sala, combinando-se com os ruídos sonoros da mobília antiga, cuja madeira insistia em participar.

Com as vozes de fundo dos praticantes de boxe da sala ao lado, os músicos deram as primeiras notas, demonstrando de imediato convicção no seu som, originando uma transição gradual, espontânea, de vozes graves e agitadas para notas agudas da viola e do violino, de intensidade piano, ao que se juntou o som longo e grave do clarinete, o ponteado da guitarra e o movimento suave da percussão. Em poucos segundos o silêncio da concentração de quem queria escutar fez-se sentir – começámos a viagem.

Foi um concerto dividido em duas partes. Uma primeira mais minimalista, atenta ao pormenor, e uma segunda mais agitada, com momentos de clímax e muita energia. Foi notória a qualidade dos executantes - uma mistura entre a técnica instrumental, a sensibilidade para a escuta do outro, entrosando diálogos contínuos de respeito mútuo, em movimentos ora rápidos, ora lentos, de resposta cirúrgica, de ouvido clínico. De destacar, em todos os músicos, a atitude colocada em cada nota, a precisão na afinação, a exactidão das notas curtas, quase em forma de stacatto, o som limpo das notas longas, a sensibilidade da percussão para o tempo certeiro, nem mais nem menos. Houve momentos de diálogos quase silenciosos entre o violino e a viola, por vezes bruscos, outras vezes em rodopio, como se fosse uma mosca que segue o seu voo a ziguezaguear; um clarinete a suportar o som grave, ora em baixo contínuo, ora com pequenos desvios de caminho, intrometendo-se com os sons agudos. A guitarra foi desenhando ponteados, a ornamentar a imagem sonora. Toda esta dinâmica foi sustentada por uma percussão cuidadosa e sensível ao cenário envolvente.

Foram minutos de agradável surpresa e prazer, de equilíbrio e de constante comunicação. A empatia floresceu na sala, entre músicos e público.

Agenda

02 Fevereiro

João Lencastre, Pedro Branco e João Hasselberg

Miradouro de Baixo - Carpintarias de São Lázaro - Lisboa

02 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Água Ardente - Lisboa

02 Fevereiro

Ensemble Porta-Jazz / Robalo

Porta-Jazz - Porto

02 Fevereiro

José Menezes Quarteto

Cine Incrível - Alma Danada - Almada

02 Fevereiro

Manuel Oliveira, Rodrigo Correia, Alexandre Frazão e Tomás Marques

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Pedro Neves Trio “Hindrances” / Wabjie

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Percussion

Água Ardente - Lisboa

03 Fevereiro

Gianni Narduzzi “Dharma Bums” / Carlos Azevedo Quarteto “Serpente”

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Luís Figueiredo “À Deriva”

Centro de Cultura e Congressos da SRNOM - Porto

Ver mais