Humanization 4tet, 10 de Março de 2022

Humanization 4tet

Música Mineral

texto: Gonçalo Falcão / fotos: Rui Baião

Fomos até à SMUP na Parede, para ouvir o Humanization 4tet de Luís Lopes nesta pequena tour por Portugal e Áustria. Em 2020 o quarteto estava prestes a embarcar quando a pandemia lhes apagou a agenda e por isso é com satisfação redobrada que aplaudimos este concerto que é também uma re-continuação.

A música dos Humanization é boa de ouvir em disco mas é ao vivo que ela se revela mais interessante. Isto porque o grupo junta 4 personalidades impositivas, que tocam alto e forte num permanente empurro musical. Armam a tenda no jazz mas também é rock o que ouvimos com melodias curtas e muita intensidade numa música mineral. Não podemos falar propriamente de uma frente de guitarra e saxofone (Luís Lopes e Rodrigo Amado) propelida pela secção rítmica liderada pelos texanos Aaron e Stefan Gonzalez (contrabaixo e bateria) porque na verdade eles estão todos na frente. O baterista texano nunca pausa para recarregar, está sempre a disparar num ritmo insano. É um elemento pivotal no funcionamento dos Humanization porque obriga o grupo a manter a energia no vermelho. Na SMUP esteve incrível, cansou só vê-lo. É um baterista inteligente que, apesar de frenético, está sempre a ouvir e a propor ideias rítmicas interessantes. O irmão contrabaixista, menos expressivo ao vivo, consegue ser não menos importante porque não há muitos que consigam sobreviver naquele caudal rítmico e melódico. E Aaron consegue ser consistente e garantir o funcionamento de um baixo que, de algum modo, organiza as ideias.

Já Luís Lopes e Rodrigo Amado são uma dupla gritante. Gostei particularmente naquela noite de seguir o saxofone que esteve sempre com boas ideias. O som da guitarra de Lopes é magnífico: seco, duro, faz lembrar de algum modo o melhor som de Sonny Sharrock. Amado com a tarefa difícil para um instrumento melódico de estar sempre a tocar, sempre em palco e sempre interessante.


O concerto correu por baixo de uma luz avermelhada e por duas vezes o grupo abriu espaço para o aparecimento de Ali Honchell, na frente de palco; ficamos só com a bateria e o contrabaixo e os movimentos da bailarina e coreógrafa americana a residir na Europa por poucos minutos que, depois saiu de cena, para o reaparecimento do grupo (que na verdade nunca saiu, apenas, baixou o ritmo e criou um espaço – metaforicamente falando – para a dança).

 

A sala da SMUP esteve quase cheia apesar de ser uma quarta-feira fria e de chuva e no final aplaudiu generosamente o concerto. Sem sair do palco o Humanization tocou o “Ghosts” de Albert Ayler em jeito de encore e assim fechou uma intensa noite de música na Parede.

Agenda

02 Fevereiro

João Lencastre, Pedro Branco e João Hasselberg

Miradouro de Baixo - Carpintarias de São Lázaro - Lisboa

02 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Água Ardente - Lisboa

02 Fevereiro

Ensemble Porta-Jazz / Robalo

Porta-Jazz - Porto

02 Fevereiro

José Menezes Quarteto

Cine Incrível - Alma Danada - Almada

02 Fevereiro

Manuel Oliveira, Rodrigo Correia, Alexandre Frazão e Tomás Marques

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Pedro Neves Trio “Hindrances” / Wabjie

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Percussion

Água Ardente - Lisboa

03 Fevereiro

Gianni Narduzzi “Dharma Bums” / Carlos Azevedo Quarteto “Serpente”

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

03 Fevereiro

Luís Figueiredo “À Deriva”

Centro de Cultura e Congressos da SRNOM - Porto

Ver mais